Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017

Dr Judice Vs Estado

Vão ter com o Durão Barroso que foi enquanto Primeiro Ministro o mentor da negociata entre o estado e o seu grande amigo Vasco Pereira Coutinho na ilha privada do qual passava férias anuais. O negócio até era bom. O estado vendia os terrenos da Falagueira ao interessado por umas patacas como sempre acontece, e o negociante de terrenos vendia aquilo aos construtores civis por verbas que estava previsto serem na ordem dos 450 milhões de euros.
Só que houve um imprevisto. Mudou o governo, amizade entre Durão Barroso e Pereira Coutinho não foi salvaguardada e o novo governo avançou com um projecto que estava na gaveta e que previa a passagem da CRIL e a passagem do metro até à Amadora e Hospital Fernando da Fonseca. E lá foi por água abaixo o negócio do Sr Pereira Coutinho que agora quer de indemnização 180 milhões.
Era um negócio onde não havia nada escrito. eram só compromissos de amizade, mas o homem quer 180 milhões por ter perdido um negócio que lhe renderia 450 milhões mas no qual não investiu um chavo.
Assim também eu tinha ilhas privadas jactos privados e iates de dezenas de milhões. Fora o resto.
Agora outro berbicacho.
O Sr Dr Judice que era advogado de defesa do Sr. Pereira Coutinho é agora advogado de defesa da pessoa a quem este quer esmifrar os tais 180 milhões. O Estado
Está a tenda armada.

 
 
publicado por lino47 às 15:44
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 29 de Janeiro de 2017

Carlos Esperança

Foram-se as Indulgências... (Conto) – Texto de fim de semana

Jerónimo Felizardo estava a aliviar do luto a que a perda da amantíssima esposa, Deolinda, o obrigara. Não se pode dizer que lhe fora muito dedicado em vida nem excessivamente fiel. Mas habituara-se a ela como um rafeiro ao dono que o acolhe.

Sentia-lhe agora a falta. Deolinda de Jesus dera-lhe tudo. Mesmo tudo. Até o que é obrigação e nela nunca foi devoção e, muito menos, entusiasmo. Deu-lhe independência económica, boa mesa, respeito e uma filha. Deixou-lhe uma pensão de professora, metade do ordenado do 10.o escalão, que acrescentava a outros proventos e o punham ao abrigo de sobressaltos.

Com a filha não podia contar. Fora para Lisboa frequentar a Universidade Católica, a cujo curso e influência deve hoje o desafogo em que vive e o lugar importante no Ministério. Metera-se no Opus Dei e enjeitou a família. Mesmo a mãe, a quem fora muito chegada, só lhe merecera duas breves visitas nos três anos de doença prolongada com que Deus quis redimi-la do pecado original.

Era natural que substituísse as visitas por orações, que não exigiam deslocações nem hora certa, que haviam de prolongar a vida e o sofrimento, assim Deus a ouvisse. E ouvi-la-ia de certeza porque, além de omnipotente e omnisciente, vinham duma devota fiel à instituição que o Papa amava quase tanto como à bem-aventurada Virgem Maria.

A poucos meses de fazer meio século Jerónimo empanturrava-se de comida que Carolina, afilhada do crisma de D. Deolinda, se esmerava a cozinhar com um desvelo que a filha nunca revelara. Bem sabia que a gula era um pecado capital, mas que a prática e o exemplo eclesiástico largamente tinham despenalizado. Nem mesmo o Prefeito para a Sagrada Congregação da Fé, tão cioso guardião da moral e dos bons costumes, o valorizava demasiado. A gula não é propriamente a luxúria, que é das maiores ofensas feitas a Deus, pecado dos maiores e, de todos, o que mais contribui para a perdição da alma.

Em tudo o mais era Jerónimo um viúvo exemplar. Dera-se à tristeza e à oração. Arrependia-se das vezes em que não cumpriu o dever da desobriga, da frequência escassa à eucaristia, das missas a que faltou, em suma, das obrigações de cristão que não cumpriu com a intensidade, duração e frequência que recomendava a Santa Madre Igreja. Mas, de tudo, o objeto maior de arrependimento era o adultério que cometera e em que, sempre confessado, reincidiu.

Mas isso terminara há muitos anos. A infeliz que seduzira casara e virara fiel ao marido a quem agradecia tê-la recebido canonicamente apesar de saber que já não ia como devia. Conformado, não se importando de ficar com mulher que já não ia inteira, nunca suspeitou de ornamentos de homem casado, sempre julgou que o autor era um antigo namorado que a morte por acidente impediu de reparar a desonra.

Desse pecado se redimira já, pela confissão, penitência e promessa de nunca mais pecar.
Agora, à castidade que se impunha, ao cumprimento dos mandamentos a que se devotara, juntava uma vontade forte de conquistar indulgências nesse ano 2000 do Grande Jubileu.

Bem sabia que as indulgências requerem sempre a confissão sacramental, a comunhão eucarística e a oração pelas intenções do Papa, condições sine qua non para a sua obtenção. Quanto às disposições para a sua aquisição não era difícil cumpri-las. Bastava peregrinar a uma Basílica, Igreja ou Santuário designado para o efeito, e eram várias as opções na diocese, e rezar o Pai-nosso, recitar o Credo em profissão de fé e orar à bem-aventurada Virgem Maria, tarefas de que se desobrigava com prazer e entusiasmo. Mesmo a recomendável contribuição significativa para obras de carácter religioso ou social estava ao seu alcance e não deixaria de fazê-lo.

Embora gozando de excelente saúde e de razoáveis análises nunca é demasiado cedo para o sincero arrependimento e cuidar da alma. Veio a calhar o ano do Grande Jubileu que Sua Santidade avisadamente instituiu nesse Ano da Graça de 2000.

Jerónimo tomou como bênção do Céu ter ficado Carolina a cuidar dele. Antes de se recolher ao quarto rezavam os dois, todos os dias, por D. Deolinda, Esposa e Madrinha, respetivamente, para que a sua alma mais célere entrasse no Paraíso, aliviada das penas do Purgatório.

Passava os meses dedicado à oração, à penitência e à agricultura, outra forma de penitência que alguns teólogos interpretam como a mensagem do anjo do 3.o segredo de Fátima. Disse-me um crente praticante, e não incréu militante, que a penitência que o anjo três vezes pediu era uma forma de exigir dedicação à agricultura, modo de empobrecer e salvar a alma, vacina contra os sectores secundário e terciário onde os homens perdem a fé e a Igreja os fiéis.

No primeiro dia de maio, a seguir ao jantar, horas depois dos comunistas ateus se terem manifestado nas ruas de Lisboa e Porto, enquanto Carolina ficou a arrumar a cozinha, foi Jerónimo ao mês de Maria, ato litúrgico que na sua cidade de província sobreviveu à conversão da Rússia e à consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria.

À saída da igreja entrou no carro, dirigiu-se à quinta que distava duas léguas da cidade, deu um bocado de conversa ao caseiro e uma olhadela às vitelas, distribuiu-lhes ele próprio um pouco de ração, mandou verificar a pedra que tapava o buraco das galinhas para protegê-las da raposa, deu a bênção aos afilhados, filhos do caseiro, e regressou à cidade onde viveu em vida de D. Deolinda, por vontade dela que detestava a lavoura e o campo, e vivia agora por hábito e fidelidade à memória da falecida.

Ao regressar a casa admirou-se de ver todas as luzes acesas, exceção para o seu quarto que a luz do corredor iluminava discretamente.

Ia entrar em busca da santa Bíblia quando, sobre uma colcha de seda, na cama, deparou com o corpo esbelto de Carolina, esplendorosa escultura de 20 anos à espera de ser percorrida, vestida apenas de penumbra e longos cabelos castanhos esparsos sobre o peito, donde brotavam túmidos mamilos à espera de afago.

O quarto parecia iluminar-se progressivamente. Já uns lábios carnudos se ofereciam sequiosos e um corpo arfava em pulsações rápidas, num incontido furor de ser possuído, numa ânsia insuportável de ser saciado, primícias ávidas em busca de serem saboreadas.
Jerónimo sentiu sobrar-lhe roupa e minguar-lhe a resistência.

 

 

publicado por lino47 às 00:02
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 28 de Janeiro de 2017

Mais Síria

Mais Síria

  A RTP mesmo sendo serviço público fez o jogo dos outros canais e deu as notícias de acordo com o que era noticiado nos canais privados internacionais.

Acho mesmo que a RTP foi apanhada de surpresa com esta entrevista à irmã Guadalupe e ela não disse nada que eu já não dissesse aqui a seguir a 2011 e ao início da guerra.
Eu vivi na Síria e fui verdadeiramente surpreendido com o que se noticiava em Portugal e no mundo.
Um governo que acolheu mais de dois milhões de refugiados da Palestina e do Líbano não podia estar agora a fazer o mesmo ao seu próprio povo.
Eu vivi, convivi e trabalhei lado a lado com refugiados Palestinianos sabia que não era aquele povo das notícias que queimava escolas e hospitais cheio de gente o povo que eu conheci. Agora que a guerra talvez se aproxime do fim, talvez seja tempo de as verdades começarem a vir ao de cima quer com esta irmã Guadakupe o com outras Guadalupes que começem a pôr a boca no trombone e a denunciar a mentira e a hipocrisia dos países ocidentais,
publicado por lino47 às 19:06
link do post | comentar | favorito
|

UGT Vs CGTP

  • Ai o Sr. Carlos Silva queixa-se de na UGT serem apelidados de amarelos pela CGPT?
    Mas queixam-se porquê, se na realidade nunca foram outra coisa?
    Então eu que fui Delegado Sindical e coordenador de Comissões de trabalhadores no pós 25 de Abril, não me lembro bem das negociatas do Torres Couto com o patronato, e das facadas nas costas dos trabalhadores e das suas organizações!?
    Então não me lembro bem de que nunca a UGT aceitou assinar um acordo de concertação que a CGTP estivesse a negociar?
    Então não me lembro bem que nunca a UGT apoiou reivindicações levadas a cabo pelas organizações de operários e camponeses.
    Então não me lembro bem que a UGT nunca se colocou ao lado de trabalhadores das obras, das pescas, das fábricas ou dos campos?
    Então não me lembro que a UGT sempre e só virou as suas lutas para os trabalhadores da função pública, dos bancários, dos professores e dos quadros técnicos?
    A UGT que sempre desprezou tudo e todas as lutas das classes mais desfavorecidas, querem o quê?
    A CGTP também tem culpas no cartório, muitas das lutas dos trabalhadores filiados nas suas organizações, também foram muitas vezes sabotadas por interesses que não tinham nada a ver com eles.
    Mas essa é outra história.

     
     
     
     
publicado por lino47 às 16:01
link do post | comentar | favorito
|

RTP 1

A RTP 1 no seu melhor.
Como no seu melhor a RTP já nem se quer se dá ao trabalho de fazer programação, as manhãs de sábado e grande parte do tempo é preenchido com a repetição de programas passados em dias anteriores, mesmo que não tenham interesse ou que tenham interesse para meia dúzia de pessoas.
Mas eu estou para aqui a falar disto porquê?
Não tenho mais nada para fazer?
Não. Não tenho mais nada para fazer e estou a falar disto porque é o dinheiro dos meus impostos que paga esta palhaçada toda.
É o dinheiro que o estado vem buscar à minha reforma para dar à RTP para pagar os devaneios de um canal de televisão que é dos cidadãos contribuintes e que devia trabalhar em prol da informação e divertimento desses mesmos cidadãos contribuintes.
É o dinheiro que é meu e que eu não autorizei a tirarem da minha conta, para pagar ordenados e regalias a centenas de pessoas sem formação nem categoria para usufruírem ordenados várias vezes superior à média dos trabalhadores portugueses.
É o dinheiro que me falta todos os meses na minha reforma para pagar ordenados de milhares de euros mais viagens em primeira classe e estadias em em hoteis de cinco estrelas a vedetas e equipas que depois apresentam trabalhos e reportagens e uma pobreza miserável.
As outras estações de televisão generalistas também não são melhores, mas são privadas e não funcionam com dinheiro dos meus impostos.

Foto de Adelino Aj Carvalho.
 
 
publicado por lino47 às 13:27
link do post | comentar | favorito
|

Rebeldes sírios de Aleppo

rebeldes.jpg

 

Sabem quem eram os “rebeldes” sírios em Aleppo?”, pergunta a jornalista Rania Khalek? “Não são apenas os “rebeldes sírios”, como os media ocidentais os descrevem habitualmente. Eram a Brigada Al Nusra, basicamente um ramo da Al Qaeda. Ou pertenciam ao “Ahrar al Sham”, “jihadistas” violentos financiados pelo Qatar, que mataram membros de minorias étnicas ou religiosas ou os usaram como escudos humanos. Algumas das atrocidades cometidas por estes grupos provocariam arrepios na espinha. Não estou a inventar nada. Em Aleppo, esta gente tinha tribunais regidos pela Sharia, onde sentenciavam pessoas à morte por banalidades. Executavam civis sumariamente. É verdade que, na Síria, emergiram a partir de 2011 vários movimentos que apelavam por mais democracia, mas outros tinham ideias bem diferentes. Em Aleppo a maior parte da população esteve sempre com o governo sírio, até serem invadidos por estes grupos, armados até aos dentes pela Turquia, em 2012. Começaram a controlar todos os bairros da cidade, e as zonas que se mantinham fiéis ao regime sírio eram castigadas por eles. Cortavam o abastecimento de água e comida. Era um pesadelo, como vos dirão muitas pessoas na cidade. Os principais media mundiais não queriam saber disto, porque estes grupos eram apoiados pelos Estados Unidos. Estes “rebeldes” de Aleppo não eram muito diferentes do Estado Islâmico, que ainda controla Mosul. Seguiam a mesma ideologia “jihadista”. Agora estão a perder terreno porque o seu principal financiador e mentor, a Turquia, deixou de os apoiar através da fronteira. E é por isso que surgiram agora estas histórias inventadas de mulheres e crianças a ser massacradas, mulheres a serem violadas ou a suicidarem-se para não cair nas mãos do exército sírio. Histórias cuja veracidade ninguém pôde confirmar. É verdade que o governo sírio cometeu atrocidades, mas os rebeldes também cometeram. Muita gente está morta. As pessoas estão exaustas. Sentem-se apenas felizes por isto ter acabado. Foi isso que senti quando estive em Aleppo. As pessoas celebravam, como celebravam nas zonas libertadas do ISIS, depois de todo o horror. Não percebo como acusam estes civis que celebram a libertação da sua cidade de serem traidores ao seu próprio povo, apoiantes de Assad. Como se fossem como aqueles israelitas que celebravam na rua o bombardeamento de Gaza. Não, não estavam a celebrar o bombardeamento de Aleppo. Celebravam o fim do pesadelo”. Rania Khalek é uma jornalista independente baseada nos EUA. Escreve regularmente para “The Nation”, Al Jazeera America e foi editora da “Electronic Intifada”. Este texto pode ser lido aqui: https://shadowproof.com/…/rania-syria-media-rebels-whitewa…/. A sua página no Tweeter: https://twitter.com/raniakhalek

 
 
publicado por lino47 às 13:18
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2017

Miguel de Pompeia sobre Marcelo

marcelo.jpg

 

Miguel de Pompeia sobre Marcelo

 

Nesta batalha entre Marcelo e quem votou nele, parece-me mais que óbvio que Marcelo irá ganhar. Estes tipos esquecem-se que estão a falar com o PRESIDENTE da República e não com um líder partidário. É essa a função de um Presidente da República e estes tipos que estão aziadíssimos com a forma exemplar como tem desempenhado a função não querem perceber isso. Achavam, como eu também achava, dou-lhes isso, que assim que Marcelo fosse eleito, daria um empurrão ao seu partido. Não o fez em vez nenhuma e está isso sim, a dar um empurrão ao país e um empurrão para que o país corra bem e tenha sucesso. Já que a bandidagem que lidera os partidos da oposição não pode atacar o Presidente que não quiseram apoiar mas que esperavam que abrisse caminho para voltarem ao poder, aparecem estes cães de fila a ladrar e atacar o legítimo representante de todos os portugueses (e digo todos, não por me ter rendido a ele, mas porque tem taxas de aprovação que mais ninguém tem).
A SIC, o Expresso e a grande maioria de meios de comunicação social que temos estão de facto e cada vez mais, tóxicos e impróprios para consumo.
Não me admiraria rigorosamente nada que quando esta estratégia falhar comecem a aparecer notícias, que naturalmente serão completamente infundadas, sobre alegados favorecimentos ou crimes cometidos por Marcelo. Será tudo completamente mentira mas servirá para o que querem, lançar lama sobre alguém que não tem dono, é isento e não tem uma agenda oculta de interesses.
Os meus parabéns a Marcelo por ter estado no meio desse lamaçal que é a SIC e ter conseguido sair do estúdio sem ter descido ao nível dos líderes da Oposição que o entrevistaram.

 
 

 

publicado por lino47 às 13:25
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Janeiro de 2017

Sá Carneiro

sa carneiro.jpg

 

Constantemente vê-se ou ouve-se gente a cantar loas a Sá Carneiro como se existisse alguma coisa visível ou palpável da obra de Sá Carneiro.

Sá Carneiro, foi com outros advogados bem instalados na vida fundador e dirigente do PPD, partido esse que com tão bons alicerces já nem existe.

Foi ainda deputado da Assembleia Nacional no tempo de Marcelo Caetano portanto no tempo da ditadura, o que quer dizer que era da mesma laia senão não tinha ido para lá e não vejo muito bem o que é que ele tenha feito neste país que o tenho levado à idolatração ao ponto de quase vir a ser beatificado.

Sá Carneiro, foi 1º Ministro de Portugal durante cerca de três anos.

Sá Carneiro, era e foi um politico igual a tantos outros, mas no dia 4 de Dezembro de 1980 passou de politico a santo sem motivo nenhum aparente a não ser a sua morte. por negligência do piloto do avião onde se fazia transportar

Tão íntegro, tão moralista e tão bom cristão, como são todos os direitistas, que não exitou em abandonar a mulher e os filhos menores para se juntar a outra mulher e refazer a vida junto dela.

Agora, se fazem favor, digam-me quais foram as medidas ou obras que Sá Carneiro deixou implantadas neste país.

Sejam quais forem, digam-me uma lei, uma medida ou uma obra que Sá Carneiro tenha implantado e que tenha deixado visibilidade quer no campo político, social, judicial ou outro. Só uma.

publicado por lino47 às 23:41
link do post | comentar | favorito
|

Carlos Esperança/ Miró

Carta aberta a Juan Miró – Texto de fim de semana

Meu caro João:

Creio que a ida deliberada a Barcelona, após a subida da colina de Montjuïc, para ver na Fundação com o teu nome a primeira retrospetiva da tua obra, me permite o tratamento que, com três décadas de defunção, já não estás em condições de recusar. E sempre me permites dar um ar de intimidade que valoriza o ego de um representante dos nano-mini-micro-intelectuais.

Devo dizer-te, João, que prefiro Picasso, mas sou sensível à plêiade de geniais catalães onde te englobo com Antoni Tàpies, Salvador Dali e Antonio Saura. Nem só de Picasso vive o espírito.

Foi há muitos anos. Algumas vezes lembraste-me Vincent van Gogh e Paul Cézanne e, outras, julguei que estavas a gozar comigo, mas a tua imaginação seduziu-me sempre. Não tenho a veleidade de ter compreendido sempre a pintura, a escultura e a cerâmica com que seduziste os beatos do surrealismo e do dadaísmo, mas aprendi a gostar de ti.

E não foi para falar de ti, muito menos de mim, que te escrevo. Foi para te dizer que um alto governante cavaquista, acusado de perdoar dívidas fiscais a troco de donativos para o partido, talvez calúnia a quem era governante e cavaquista, nódoas indeléveis de quem virou banqueiro e se habituou a defraudar o BPN, o nome não te diz nada, era o banco do regime onde a fina flor do cavaquismo se repoltreou.

E dirás tu, meu caro João, é assim que em português dizemos Juan, dirás tu – dizia eu – o que tens a ver com isso? Pois, é aí que a tua glória se junta à nossa desgraça. Esse tal banqueiro e um bando de outros safados dissiparam mais de 8.000 milhões de euros, eu sei que não sabes o que é isso do euro, quando, com 90 anos, viraste defunto os quadros só eram transacionados em pesetas, dólares e francos. Mas eu informo-te, é a moeda que Portugal tem cada vez mais em dívida púbica e em entregas de particulares em offshore.

Não é que esse desmiolado banqueiro comprou 85 quadros teus em estranha conivência com o genro de um tal Aznar que era devoto de Franco, de quem deves recordar-te, mas que teve de governar em democracia, sim, dessas que havia em França e Inglaterra.

O genro desse Aznar teve artes de se aproveitar com a venda dos teus quadros, os filhos saem aos pais mas em Portugal e Espanha agora são os genros e, do negócio, o que resta são o acervo de uma magnífica coleção que representa todos os períodos da tua vida de pintor.

Era uma recordação cara que nos ficava de ti, meu caro João, um chamariz para os teus devotos se deslocarem a este país cada vez pior frequentado, uma mostra expressiva do teu talento que uns exóticos detentores do poder querem vender por atacado e a pataco.

Terias vergonha deles. Mentem e olham as telas como quem vê o negócio de molduras e até há quem se fixe no interior dos caixilhos a perscrutar o sorriso de vacas nos prados.

Esta carta já vai longa, João. Ainda bem que continuas morto. Se soubesses a história do BPN e dos teus quadros, morrerias de riso, como nós morremos de vergonha, da dívida e de raiva. Tu que inspiraste André Breton e que Matisse representou em Nova Iorque, acabaste numa coleção de Oliveira e Costa com a conta a ser apresentada a todos nós.

Aceita um abraço enviado deste cemitério da inteligência e da cultura, de um teu amigo.

Coimbra, 8 de fevereiro de 2014

Foto de Carlos Esperança.
publicado por lino47 às 20:57
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

Entrevista a Freitas do Amaral

QUEM ATIROU A PRIMEIRA PEDRA QUE AGUENTE AGORA A PEDRADA

Elina Fraga, Bastonária dos Advogados, foi desafiada pela procuradora-geral da República aos microfones da TSF a "dizer quem violou o segredo de justiça" no caso Sócrates. Na entrevista, Joana Marques Vidal disse esperar que a bastonária colabore "activamente num inquérito que foi instaurado na sequência das suas declarações" à Renascença, em Janeiro, nas quais disse que o Ministério Público (MP) violou o segredo de Justiça no caso que envolve José Sócrates.
Ora a Bastonária respondeu prontamente com a informação de que vai entregar milhares de notícias de fugas em diferentes processos, para além do caso Sócrates. São nada menos que CINCO MIL cópias de notícias, onde considera que o segredo de justiça pode ter sido violado por magistrados ou polícias, incluindo no processo de José Sócrates, e que vai entregar ao Ministério Público. Elina Fraga, não perde tempo a esfregar na cara da dissimulada PGR a abundante porcaria consentida que existe no MP e que a PGR esconde, chegando ao ponto de com desfaçatez, considerar que as alegadas fugas de informação provenientes do MP se tratavam de "deslizes".
Como disse e bem a professora Estrela Serrano, «chamar “deslizes” às fugas de informação continuada de partes de processos (estejam ou não em segredo de justiça) dirigidas a certos jornalistas é não conhecer a teia de relações e de cumplicidades existentes entre jornalistas, magistrados do Ministério Público e investigadores da polícia criminal. Ou a Procuradora não conhece o “meio” em que se move e era bom que começasse a prestar-lhe mais atenção ou está, deliberadamente, a deitar poeira nos olhos dos portugueses».
Agora, falta a procuradora-geral da República fazer prova da violação do segredo de justiça por parte dos advogados de defesa, como acusou na mesma ocasião. A Bastonária Elina Fraga não perdeu tempo: "A senhora PGR diz que há advogados a violar o segredo de Justiça. E naturalmente que a Ordem dos Advogados vai fazer aquilo que a senhora PGR fez: extrair a certidão das declarações da senhora PGR e pedir ao Ministério Público que convoque a senhora PGR para dizer no processo quem são os advogados que violam o segredo de Justiça". Mais: se a PGR acusa que há advogados que violam o segredo de justiça, "a senhora PGR tem que identificar os advogados que alegadamente violam o segredo de Justiça, sob pena de pôr em causa o bom nome e a reputação de toda a advocacia portuguesa e isso, enquanto bastonária, não vou consentir".
Ora como é público e sabido, a defesa de José Sócrates está impedida até agora de ter acesso ao processo, e a Procuradora - Geral da República tem a sua batata a assar ao afirmar com leviandade que são os advogados de defesa que promovem a violação do segredo de justiça, quando inequivocamente são os agentes judiciários que têm o processo à sua guarda que fornecem ao Correio da Manha e outros pasquins, algumas peças do processo publicadas nas suas páginas que não passam de delirantes presunções, e sem que alguma vez tenham desmentido de não pertencerem ao processo.
A responsabilidade principal da fuga - que não é fuga nenhuma mas sim cedência deliberada de informação -, é do dueto inquisitório Rosário Teixeira e Carlos Alexandre, que têm todo o interesse na campanha que exercem na praça pública no sentido de criar na opinião pública a ideia de culpabilidade de Sócrates, quando se sabe que estão com sérias dificuldades de disso fazerem prova - apesar de as investigações e escutas telefónicas terem começado há mais de um ano antes da detenção -, pois até a este momento não foram capazes de fazer uma acusação sustentada com provas. José Sócrates continua na prisão sem culpa formada, o que configura um caso político. Só quem está ausente do planeta Terra pode ignorar que em face da proximidade das eleições e para dele fazerem uso como, aliás, está já a ser feito, visa impedir que a oposição obtenha uma vitória nas eleições e corra com esta escumalha que tanto mal têm feito ao país e aos portugueses.
FREITAS DO AMARAL E O
JULGAMENTO DE SÓCRATES
NA PRAÇA PÚBLICA
O Professor de Direito Freitas do Amaral foi o convidado do último programa Grande Entrevista da RTP Informação, que pode ser visto aqui (1). Uma parte substancial da entrevista incidiu sobre a detenção de José Sócrates e a violação do segredo de justiça na «Operação Marquês». O 'Sítio com vista sobre a cidade' fez vários vídeos reproduzindo passagens da entrevista. Eis dois desses vídeos (2 e 3):
Entrevista integral:
(1) http://www.rtp.pt/play/p1718/e185543/entrevistagrande-
«O Ministério Público e Tribunal de Investigação Criminal actuam como se estivéssemos em ditadura»:
(2) https://www.youtube.com/watch?v=tfPvXS0JWi4
«Esta prisão está a dar-lhe prestígio junto da esquerda portuguesa. Ele está a transformar-se num símbolo, num ícone da esquerda portuguesa. Neste momento o engº José Sócrates, para o bem ou para o mal, é cada vez mais odiado pela direita portuguesa» :
(3) https://www.youtube.com/watch?v=kbP0qiGknkw
MIGUEL SOUSA TAVARES E O
JULGAMENTO DE SÓCRATES
NA PRAÇA PÚBLICA

Segunda-feira, 23 de Fevereiro, no Jornal da Noite da SIC
http://sicnoticias.sapo.pt/…/2015-02-24-Antes-de-haver-julg…
Clara de Sousa — Boa noite, Miguel. Em relação a esta parte que partiu de José Sócrates [violações do segredo de justiça], ele tem razão na queixa que fez?
Miguel Sousa Tavares — Basta ler o Sol, o i e o Correio da Manhã todos os dias para perceber que ele tem razão. De facto, a fuga do segredo de justiça é banal, mas é pior do que isso: não se limitam a canalizar factos que estarão no processo, mas canalizam as suposições do Ministério Público. Ou seja, a acusação está a ser feita nos jornais por violações do segredo de justiça. (…) O prejuízo que quer ser causado, está causado. Ou seja, antes de haver acusação formal, antes de haver pronúncia, antes de haver julgamento, José Sócrates já foi julgado na opinião pública, na praça pública, graças à violação do segredo de justiça, que é escandalosa, que é pura e simplesmente escandalosa. Aquilo que tem acontecido é escandaloso, quer da parte dos jornais que se prestam a esse serviço, quer da parte dos que fornecem as informações — mais do que informações, como dizia o advogado de Sócrates e com razão, as opiniões aos jornais.
MAGALHÃES E SILVA E O
JULGAMENTO DE SÓCRATES
NA PRAÇA PÚBLICA

Advogado Magalhães e Silva, 4ª feira no Jornal das 9 da SIC Notícias :
http://sicnoticias.sapo.pt/…/2015-02-25-Operacao-Marques-em…
Ana Lourenço — Dr. Magalhães e Silva, nós temos ouvido o advogado de José Sócrates classificar as fugas de informação e as quebras de sigilo relativamente a este caso (…) como especialmente oportunos e simpáticos ao lado da acusação. Quer comentar?
Manuel Magalhães e Silva — Sabe, a convicção do homem comum, e eu não sou outra coisa que não o homem comum, é a de que aquilo que tem sido divulgado como constituindo elementos do processo, nuns casos corresponderá efectivamente àquilo que se encontra no processo, noutros representará uma qualquer suposição de quem divulga, mas não o que esteja efectivamente no processo. Só há no entanto uma maneira de isso poder ser adequadamente esclarecido, que é, havendo indícios de que há violação do segredo de justiça, que haja uma severa perseguição criminal. Do que tem aparecido — não vale a pena nós estarmos a fazer de conta de que não percebemos —, sejam factos que efectivamente se contêm no processo (e, portanto, são violações do segredo de justiça), sejam suposições, são obviamente para criar um clima de condenação do Eng. Sócrates. Qualquer pessoa observa e percebe que é assim (estando em acordo ou desacordo, isso agora é completamente indiferente). Objectivamente, o significado daquela divulgação continuada é o de ter como consequência a condenação na praça pública, para usar a expressão comum, do Eng. Sócrates. E isso num Estado de direito não é efectivamente aceitável.
(….)
Ana Lourenço — (…) mas é essa falta de instrumentos que depois justifica (…) a utilização de expedientes como as fugas de informação?
Manuel Magalhães e Silva — Não é um sucedâneo eticamente aceitável. Não é um substituto eticamente aceitável da perseguição criminal que se condene alguém na praça pública ou, porque não se tem meios em face de suspeitas e em face de investigações insuficientes, se lançar o labéu sobre quem quer que seja, seja eu, seja a Ana Lourenço, seja o Eng. Sócrates, seja quem for. É completamente inaceitável. É interessante que, num escrito recente, o Pedro Adão e Silva fez notar isso: essa tem sido uma estratégia muito continuada do Ministério Público. O Ministério Público tem continuadamente, perante as insuficiências da investigação e da capacidade acusatória, [optado por ] trazer os factos para a praça pública e obter por via da condenação em praça pública aquilo que não consegue em tribunal.
Ana Lourenço — Isto são perguntas que podemos fazer à Procuradoria Geral da República [sobre] a ineficácia ao combate às fugas de informação…
Manuel Magalhães e Silva — Foram feitas perguntas várias vezes. Não tenho memória de que alguma vez tenha sido dada explicação suficiente.
PLACA TOPONÍMICA PRONTA
Para descerrar em Outubro. É a glória merecida, a homenagem necessária, a demonstração do justo reconhecimento popular do pulha que é o maior vigarista, aldrabão e canalha português.
PASSOS COELHO O MAIOR MENTIROSO DE PORTUGAL!JUÍZES, PROCURADORES, M. PÚBLICO, PRENDAM QUEM TEM ROUBADO PORTUGAL NOS CASOS:
- BPN-BPP-BCP-REN-EDP-SOBREIROS-SUBMARINOS-ENVC-HOSP CANCRO EM OEIRAS-BURACO DA MADEIRA-PANDURUS-AÇÕES DO BPN- TECNOFORMA-VISTOS GOLD- BES- DUARTE LIMA –APITO DOURADO-PORTUCALE-MÁFIA DA NOITE-MONTE BRANCO-CTT

Grande Entrevista - Episódio 8 - RTP Play - RTP
Freitas do Amaral - As mudanças na Europa, o desafio dos novos protagonistas gregos, e a política portuguesa. Diogo Freitas do Amaral conversa com Vit
rtp.pt

publicado por lino47 às 16:03
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. O Marquês

. Amadeu Homem

. Um arrazoado

. estátua de sal

. Marques Mendes

. ...

. Televisão

. Mais fátima

. ...

. ...

.arquivos

. Outubro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Junho 2010

. Maio 2010

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.favorito

. Burla

blogs SAPO

.subscrever feeds