Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016

Pobres de espirito

Pelo vosso raciocínio era melhor estar a ser governado sob a corja dos ladrões e mentirosos do Passos Coelho, Paulo Portas e companhia.
Foram muito bons estes quatro anos e meio passados, não foram?
Além do mais de um milhão de desempregados, da emigração forçada de mais de 300.000 jovens técnicos, dos cortes nas reformas, nos ordenados, subsídio de férias e subsídio de Natal, na educação, na saúde, no aumento absurdo do custo de vida, dos aumentos absurdos do IRS, IMI ou do IVA também queriam porrada?
Dêem tempo ao tempo que talvez lá cheguem mais depressa do que pensam.
Deixem lá, que se o Costa cair, da próxima vez o Passos é capaz de além de trazer a receita reforçada, já trazer também os cassetetes e os cães de fila.

 
 
 
 
 
 
publicado por lino47 às 18:27
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Fevereiro de 2016

Conde de Guedes o 2º

Não fiquei nem surpreendido nem especialmente incomodado, justamente porque as minhas expectativas na matéria eram desde há muito tempo as mais baixas, com a condecoração atribuída por Aníbal Cavaco Silva a António de Sousa Lara.

De facto, a lógica das condecorações de Cavaco Silva, por detrás da sua superfície aparentemente caótica, não é difícil de caracterizar, com algum esforço analítico. Corresponde, se quisermos, a um desenho simples: ao centro um núcleo duro de cidadãos beneméritos tão incontornáveis e incontestáveis que nenhum eventual ocupante do cargo, fosse ele o Candidato Vieira ou o Tino de Rãs, poderia deixar de homenagear, lado a lado com uma massa cinzenta de pessoas de bem mais ou menos anónimas, mesmo que muitas vezes sem nenhuma relevância especial na vida profissional, que por vezes terão por certo sido as primeiras a ficar surpreendidas com o destaque dado à sua diligência honesta; num dos extremos da imagem, as ausências óbvias, correspondentes a todos os ódios de estimação e ajustes de contas pessoais que Cavaco foi assentando com azedume na sua agenda, à constante revelia de qualquer critério objectivo de mérito na perspectiva do interesse nacional; no outro extremo, a respectiva contraimagem, ou seja, uma lista interminável de cumplicidades político-partidárias, de pequenos serviços a pagar a fiéis serventuários ou simplesmente das simpatias culturais idiossincráticas da Primeira-Dama – veja-se, como exemplo particularmente caricato, a Grã-Cruz da Ordem de Mérito Empresarial atribuída a Zeinal Bava em 2014, pouco antes do descalabro financeiro que já então se anunciava para a PT.

Nesta óptica, o pobre Sousa Lara – com a sua absoluta irrelevância no panorama da Historiografia portuguesa (vejam-se as suas obras seminais sobre "As Ascendências Reais de S. A. R. a Sr.ª D. Isabel de Herédia, Duquesa de Bragança” e sobre as linhagens dos “Moreiras Pessanhas, de Canavezes” ou dos "Albuquerques, de Maceira Dão, Mangualde", entre outras pérolas genealógicas, todas elas decisivas, como se imaginará, para a reflexão contemporânea sobre a História Pátria…) e com o seu desempenho indetectável de funções tão significativas como as de “Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da Ordem Soberana e Militar de Malta em Cabo Verde e Cônsul-Geral Honorário do Lesoto” (consulte-se o utilíssimo verbete da Wikipedia, manifestamente redigido pelo próprio) – não destoaria demasiado de tantos mais agraciados que lá foram marcando o ponto ao longo de algumas décadas de obscuro serviço académico.

Sucede que o momento isolado de glória da exposição pública do contemplado foi, sem qualquer dúvida, não propriamente a sua breve e inconsequente passagem pelo cargo de Subsecretário de Estado da Cultura, durante o consulado de Santana Lopes na pasta, mas o facto de, nessas funções, ter decidido em 1992 vetar o nome de José Saramago como candidato português ao Prémio Europeu de Literatura, invocando o carácter supostamente ofensivo do recém-publicado Evangelho Segundo Jesus Cristo, obra que, em seu entender, teria atacado “princípios que têm a ver com o património religioso dos portugueses”. Tratava-se claramente de uma decisão de uma arbitrariedade grosseira, em manifesta violação do princípio constitucional da separação entre a Igreja e o Estado, e que, além do mais, traduzia uma visão ultramontana que nem sequer correspondia à postura oficial da Igreja Portuguesa sobre a matéria. Mas assim Sousa Lara se imortalizou pelo ridículo nas notas de rodapé dos futuros manuais de História da Literatura Portuguesa, um pouco como o pobre Herr Platz, Conselheiro Municipal de Leipzig, no célebre comentário escrito em que se lamentou pelo facto de a contratação de Bach para o cargo de Kantor da cidade de Leipzig ter recaído num “medíocre”. Enfim, cada um entra na História como pode!

Na falta de qualquer outra fundamentação de visibilidade comparável, tem de se entender, por conseguinte, que é precisamente este gesto que Cavaco Silva, na sua contabilidade longamente ruminada de ódios velhos que não cansam, decidiu homenagear vinte e dois anos depois, associando-se de forma ostensiva – se por acaso houvesse ainda quaisquer dúvidas sobre a matéria – a este atentado censório primário às liberdades de expressão e de criação. Mais uma vez, nada de particularmente surpreendente no mesmo Presidente que em 2014 tinha aceitado inaugurar em Pequim uma exposição de Arte Portuguesa que acabara de ver algumas das suas obras retiradas e o catálogo apreendido pelas autoridades chinesas.

Mais preocupante ainda é contudo a explicação que o condecorado ainda hoje entende dever dar quando confrontado com a decisão indigna agora recompensada: "Um Governo tem uma conotação ideológica, não tem que agradar a toda a gente, é um Governo da maioria contra a minoria em última análise. Toma medidas polémicas que democraticamente sufragadas têm de ser aceites". E preocupante porque é a expressão brutal, sem quaisquer rodeios, de uma concepção totalitária incompatível com o exercício da Democracia, segundo a qual a legitimidade eleitoral – sempre conjuntural, por sinal, num regime democrático – autorizaria a supressão discricionária dos direitos, garantias e liberdades constitucionais pelo governo eleito. Algures em Budapeste, se por acaso lhe chegaram ecos do sucedido, o Senhor Orban terá ficado feliz pela solidariedade.

Claro que Sousa Lara é, neste contexto, um personagem tão insignificante como sempre foi no panorama cultural português. Depois destes três minutos de exposição mediática voltará a dedicar-se a traçar as linhagens dos interessados até aos reis visigodos, a edificar pelo país réplicas da “cruz Gloriosa de Dozulé” para evitar o “Apocalipse eminente”, ou a assistir fascinado aos exorcismos medievais do seu reverendo filho, Padre Duarte do mesmo nome – quem sabe se sonhando com a restauração das boas tradições portuguesas da queima simultânea dos livros heréticos e dos seus autores. Mas Cavaco Silva, o Presidente cessante, acaba o seu mandato com mais uma demonstração clara do que foi sempre a sua profunda incompreensão da natureza do regime democrático. Que os portugueses tenham repetidamente eleito este homem para os mais altos cargos do Estado é um sintoma trágico de um legado ideológico que quarenta anos de Democracia não foram, manifestamente, capazes de superar.

E isso é que é realmente grave.

publicado por lino47 às 13:58
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2016

Metro Mondego

metro mondego.jpg

 Manuel Machado  presidente da cãmara de Coimbra, lembrou-se de dizer, não sei por alma de quem, que o governo ia desbloquear dois milhões de euros para o projecto do Metro Mondego 

O que me mete mais impressão nisto tudo, são opinadeiros do costume que nunca utilizaram este meio de transporte, que a única coisa que conhecem deste meio de transporte é o estorvo que ele faz a quem tem de se cruzar com ele na Praça da Portagem e que se pôe a defender ou criticar uma coisa de que nem sequer conhecem o percurso, o projecto ou a história.
Neste aspecto dou inteira razão a Poiares Maduro que sendo PSD disse na cara dos autarcas PSD da zona que o Metro Mondego é um assunto para esquecer porque não é minimamente viável em termos económicos.
Esqueçam a achega de Manuel Machado.
É para inglês ver e também nunca ninguém disse que o projecto tenha algo a ver com o que está na foto.
O Projecto do Metro Mondego está morto e enterrado e tudo aquilo que se disser é pura especulação.
publicado por lino47 às 21:22
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Amadeu Homem

. Um arrazoado

. estátua de sal

. Marques Mendes

. ...

. Televisão

. Mais fátima

. ...

. ...

. Venezuela

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Junho 2010

. Maio 2010

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.favorito

. Burla

blogs SAPO

.subscrever feeds